TÍTULO DO PROJETO
Ocupação Nise da Silveira

PERÍODO
10/07/2022 – 10/07/2022

LOCAL
Museu de Imagens do Inconsciente

ENDEREÇO
R. Ramiro Magalhães, 521 – Engenho de Dentro, Rio de Janeiro

HORÁRIO
De segunda a sábado, de 9h às 16h

 

PESQUISA, CONCEPÇÃO, CURADORIA E REALIZAÇÃO
Luiz Carlos Mello e Itaú Cultural

PROJETO EXPOGRÁFICO
Claudia Afonso e Vânia Medeiros

PROJETO DE ILUMINAÇÃO
Grissel Piguilem

ILUMINAÇÃO EXPOSITIVA
Belight

CONSULTORIA
Gladys Schincariol e Priscila Moret

PESQUISADORES
Gabriella Rodrigues, Marcos Florence Martins Santos, Mariana Sgarioni e Solange Santos (terceirizados)

PROJETO DE ACESSIBILIDADE
Ariana Chediak, Iguale Comunicação de Acessibilidade e Museus Acessíveis (terceirizados)

PRODUÇÃO
Automatica Produção Contemporânea

APOIO
Sociedade Amigos do Museu de Imagens do Inconsciente

FOTOS
Gabi Carrera

AGRADECIMENTOS
Alexandre Magalhães da Silveira
Bernardo Carneiro Horta
Casa das Palmeiras
Christina Gabaglia Penna
Dulce Chaves Pandolfi
Edson Passetti
Edgard de Assis Carvalho
Esther Peter-Müller (HBZ Medizin Careum – Universität Zürich)
Eurípedes Gomes da Cruz Junior
Jörg Kemp (Wissenschaftliche Bibliothek – Psychiatrische Universiätsklinik Zürich)
Marco Lucchesi
Martha Pires
Mauri Domingues
Museu de Imagens do Inconsciente
Nina Galanternick
Pedro Penido Guimarães
Sebastião Barbosa
Thomas Fischer (Foundation of the Works of C. G. Jung, Zurich)
Ursula Reis (HBZ Medizin Careum – Universität Zürich)
Vilma Arêas Yvonne Voegeli (Foundation of the Works of C. G. Jung, Zurich)

TÍTULO DO PROJETO
Misturas

PERÍODO
07/05/2022 – 13/08/2022

LOCAL
Galpão Bela Maré

ENDEREÇO
Bittencourt Sampaio, 169 – Maré, Rio de Janeiro – RJ

HORÁRIO
De terça a sábado, de 10h às 18h

 

CURADORIA
Clarissa Diniz e Jean Carlos Azuos

ARTISTAS
Agrade Camíz
Agrippina R. Manhattan
Arcasi
Arjan Martins
Claudio Cambra
Douglas Soares
Elilson
Guilhermina Augusti
Irmãs Brasil
Jota Mombaça
Luiz Zerbini
Mulambö
Patfudyda
Paulo César
Pedro Évora
Rafael Bqueer
Raul Mourão
Rdoisó
Yhuri Cruz 

PARTICIPAÇÃO
Mamba Negra
Allan Weber

DIREÇÃO
Observatório de Favelas
Elionalva Sousa Silva
Isabela Souza
Raquel Willadino 

PARCERIA
Automatica

COORDENAÇÃO
Gilson Plano

PRODUÇÃO
Breno Chagas

 

PROGRAMA EDUCATIVO
COORDENAÇÃO
Anna Luisa Oliveira

EDUCADORAS
Stephane Marçal
Ivani Figueiredo
Ana V.
Wesley Ribeiro

ZELADORIA E LIMPEZA
Rogerio Guedes de Andrade 

COMUNICAÇÃO
Priscila Rodrigues

COORDENAÇÃO
Romulo Amorim

COMUNICADOR
Renata Oliveira

GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA
Sarah Horsth

PRODUÇÃO
Automatica
Luiza Mello
Marisa S. Mello
Mariana Schincariol Mello
Julia Rebello

ASSISTENTES DE PRODUÇÃO
Lucas Alberto
Ayla Gomes

ARQUITETURA
Grua
Caio Calafate
Pedro Varella
Fabiano Pires

DESIGN GRÁFICO
Renato Cafuzo

CENOTÉCNICO
Larte Soluções técnicas
Elizeu Paiva de Melo 

ILUMINAÇÃO
BeLigth
Samuel Betts

FOTOS
RAMON VELLASCO

 

A exposição Misturas vem celebrar a primeira década do Galpão Bela Maré, ao propor referências e materialidades entre diferentes gerações e temporalidades em diálogos com o território, com o espaço e suas singularidades. Em uma curadoria que reúne 19 artistas que contribuem na construção da história e produção de arte no Conjunto de Favelas da Maré, a mostra representa muito do que o espaço cultural realizou em seu trabalho de formação e exposição artística-educativa que consolidou ao longo destes 10 anos. Nas palavras de Jean Carlos Azuos, essa reunião organiza corporeidades, poéticas e geografias que corroboram para o pensamento e caminhos do Galpão Bela Maré. É uma mostra-símbolo que retrata uma década de grandes construções e experiências no campo artístico brasileiro, e que se inspira a projetar outros horizontes possíveis no espaço aliados à sua sobrevivência, ampliação e adensamento.

 

TÍTULO DO PROJETO
Contramemória

VISITAÇÃO
19/04/2022 – 05/06/2022

LOCAL
Theatro Municipal de São Paulo

ENDEREÇO
Praça Ramos de Azevedo, s/n – República, São Paulo – SP

HORÁRIO
De terça a sexta, das 11h às 17h
sábado e domingo, 10h às 15h

Informações e ingressos:
Clique aqui

 

CURADORIA
Jaime Lauriano
Lilia Moritz Schwarcz
Pedro Meira Monteiro

ARTISTAS
Adriana Varejão
Agostinho Batista de Freitas
Ailton Krenak
Alfredo Volpi
Ana Elisa Egreja
Anita Malfatti
Antonio Bandeira
Bertone
Carmézia Emiliano
Castiel Vitorino Brasileiro
Cícero Dias
Cinthia Marcelle
Clovis Aparecido dos Santos
Daiara Tukano
Dalton Paula
Daniel Lannes
David Almeida
Denilson Baniwa
Elisabeth Nobiling
Elza Soares
Emiliano Di Cavalcanti
Ernesto De Fiori
Flávio Cerqueira
Flávio de Carvalho
Francisco Rebolo
Frente 3 de Fevereiro
Glauco Rodrigues
Gustavo Caboco
Igor Vidor
Jaime Lauriano
Lidia Lisbôa
Lucia Laguna
Luis Caetano Martins
Marcela Cantuária
Marilia Furman
Mário Zanini
Marlon Amaro
Mauro Restiffe
Mídia Ninja
O Bastardo
Oga Mendonça
Oswaldo Goeldi
Panmela Castro
Pedro França e Darks Miranda
PerifaCon
Raphael Escobar
Rosa Gauditano
Rubem Valentim
Samson Flexor
Sérgio Milliet
Sol Casal
Sonia Gomes
Tarsila do Amaral
Val Souza
Waldemar da Costa
Yhuri Cruz

PRODUÇÃO
Automatica
Luiza Mello
Mariana Mello
Marisa S. Mello

ASSISTENTES DE PRODUÇÃO
Lucas Alberto
Ayla Gomes

ARQUITETURA
Chalabi Arquitetos
Eduardo Chalabi
Gabriel Ribeiro
Caio Peres Lima

IDENTIDADE VISUAL
Oga Mendonça

DESIGN GRÁFICO
Rima Design
Rita Sepulveda de Faria
Pedro Brucz

REVISÃO DE TEXTO
Duda Costa

TRADUÇÃO
John Norman

CONTEÚDO AUDIOVISUAL
Baioque Conteúdo
Direção Audiovisual – Newman Costa
Animadora – Kelly Pires

MUSEOLOGIA
Luciana Yuri Sato
Mariane Tomie Sato
Valéria Sellanes – Libra Cultural

MONTAGEM
Superarte
Alexandre Cruz da Silva
Cícero Bibiano da Silva Junior
Guilherme Jorge Santos Ferreira
Jefferson de Arruda Mateus
Maria do Desterro dos Santos Rodrigues

CENOTÉCNICO
Cenotech cenografia

PLOTAGEM
Omamulti

EQUIPAMENTOS VÍDEO E ÁUDIO
Max áudio luz imagem

LOGÍSTICA
AL Consultancy
Margaret Balestrini

TRANSPORTADORA
Alves Tegam

SEGURADORA
Affinité

FOTOS
Carlos Ronchi
Jeniffer Estevam

 

Contramemória pretende estabelecer um diálogo entre 38 trabalhos pertencentes ao acervo modernista do Centro Cultural São Paulo e cerca de 90 obras contemporâneas que colocam em tensão os silêncios e as ambiguidades presentes na hoje canônica Semana de Arte Moderna. O intuito da exposição é reler e traduzir criticamente a Semana de 22 e o seu ambiente cultural e político. A fricção produzida entre essas duas vertentes desnuda os silêncios e as ambiguidades presentes na Semana, agora revista por novos olhares, histórias e protagonismos, muito plurais. Ao mesmo tempo, Contramemória tem a intenção de produzir dissonância na ordem que parece imperar sobre o imaginário de 22. Trabalhos de artistes negros, indígenas, trans, mulheres e de várias gerações, introduzem um sonoro ruído, por meio do contraste e da fricção que estabelecem com as esculturas acadêmicas, as pinturas de inspiração europeia e a arquitetura rebuscada.

 

TÍTULO DO PROJETO
Van Gogh e seus contemporâneos: exposição imersiva

PERÍODO
06/04/2022 – 05/06/2022

HORÁRIO
De terça a sábado, de 10h às 18h

LOCAL
Casa França-Brasil

ENDEREÇO
Visc. de Itaboraí, 78 – Centro, Rio de Janeiro – RJ

 

IDEALIZAÇÃO
Crossmedia Group

REALIZAÇÃO
Automatica Produção Contemporânea
Casa França-Brasil

PRODUÇÃO
Automatica Produção Contemporânea
Pink Pineapple

PRODUÇÃO EXECUTIVA
Adelaide D’Esposito
Waleria Dias

COORDENAÇÃO INTERNACIONAL
Tania Tápias
Pink Pineapple
Automatica

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO
Automatica Produção Contemporânea
Mariana Schincariol de Mello
Marisa S. Mello
Luiza Mello

ASSISTÊNCIA DE PRODUÇÃO
Automatica
Ayla P. Gomes

ADMINISTRATIVO
Automatica
Geane Lino
Paulino Neto

PRODUÇÃO LOCAL
Patuá
Adriana Salomão

DESIGN GRÁFICO E COMUNICAÇÃO
Dínamo Design
Alexsandro Souza

APOIO COMERCIAL
iDueEntretenimento
CulturArtEntretenimento

COORDENAÇÃO DE COMUNICAÇÃO
Approach Comunicação

 

PROGRAMA EDUCATIVO

COORDENAÇÃO EDUCATIVA
Pompea Tavares

ASSISTÊNCIA DE COORDENAÇÃO EDUCATIVA
ASSISTANT
Ruth Maciel

ARTE-EDUCADORES
Edmilson Gomes (Ed)
Jéssica Sodré
Mariana Vilanova
Marianna Muniz
Pedro Sampaio
Rodrigo Bonicenha
Stephanie Santana
Thainá Nunes Vieira

ORIENTADORES DE PÚBLICO
Dionisio Brazo
Giovanna Houri
Isadora do Nascimento
Kerolay Leite
Lorendne da Conceição (Loren)
Maria Eduarda Kersting
Melina Ciribelli
Pablo Amorim
Rafael Silva
Rebeca Carvalho
Waleska Cristina
Yuri Guedes

PROJETO CENOGRÁFICO
Susana Lacevitz | Cenografia.net

PRODUÇÃO DE CENOGRAFIA
Philippe Midani | Cenografia.net

DESENHO ARQUITETÔNICO
Carolina Fragoso

CENOTÉCNICA
Evandro Pope e equipe 

EXECUÇÃO “Quarto em Arles”
Attila Neves e equipe

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO
José Arthur Carneiro da Costa

ILUMINAÇÃO
BeLight

PROJETO DE LUZ
Samuel Betts

EQUIPE DE ILUMINAÇÃO
Alexsander Santos
Alvaro Boa Morte
Renato Vieira

EQUIPAMENTOS
Maxi Áudio

FOTOS
Gabriela Carrera

A mostra Van Gogh e seus Contemporâneos: exposição imersiva propõe um mergulho sensorial na obra e na vida do pintor holandês, um dos principais nomes da arte do século 19, ao conduzir o visitante em uma experiência digital com projeções em 360° e trilha sonora original. Com uma narrativa de 60 minutos, o conteúdo envolve o público a partir da trajetória humana e artística do pintor, além de promover um passeio pelas criações de outros grandes nomes que se relacionam com sua obra, como Cézanne, Gauguin, Toulouse-Lautrec, Soutine e Modigliani. Os visitantes tem a oportunidade de aprofundar-se na história do artista em textos explicativos e uma linha do tempo da vida de Van Gogh. Dentro dos ambientes, o público é imerso em imagens de grandes dimensões, formadas por múltiplos projetores através de um sistema que adapta as telas ao espaço expositivo e garante a sensação de estar dentro das telas do pintor, um dos mais famosos e queridos do mundo.

TÍTULO DO PROJETO
A casa é sua: migração e hos(ti)pitalidade fora do lugar

VISITAÇÃO
30/03/2022 – 26/06/2022

LOCAL
Paço Imperial

ENDEREÇO
Praça XV de Novembro, 48 – Centro, Rio de Janeiro – RJ

HORÁRIO
De terça a domingo, 12h às 17h

 

CURADORIA
Amanda Abi Khalil

ARTISTAS
Ahmad Ghossein
Alexandre Canonico
Arjan Martins
Ayla Hibri
Bouchra Khalili
Daniel Steegmann Mangrané
Forensic Architecture
Franziska Pierwoss
Gabriela Bettini
Gui Mohallem
Khalil Rabah
Laura Lima
Louise Botkay
Marcos Chaves
No Martins
Omar Mismar
OPAVIVARÁ!
Paulo Nazareth
Rayyane Tabet

ASSISTÊNCIA DE CURADORIA
Danielle Makhoul

 

PROJETO EXPOGRÁFICO
Susana Lacevitz

PRODUÇÃO DE CENOGRAFIA
Philippe Midani

CENOTÉCNICA
Evandro Pope e equipe

DESIGN GRÁFICO
Bloco Gráfico

PRODUÇÃO
Patuá e Automatica

ILUMINAÇÃO
Alessandro Boschini

EQUIPAMENTOS
On Projeção

TRADUÇÃO
Marise Barros

REVISÃO
Duda Costa

ASSESSORIA DE IMPRENSA
Gabriela Garcia

REDES SOCIAIS
Gianni de Melo e Thais Schio

EDUCADORAS
Layla Werneck e Melanie Mozzer

PARCEIROS INSTITUCIONAIS
Amigos do Paço
Open Society Foundations
Instituto Inclusartiz
Consulado Geral da França no Rio de Janeiro

PARCEIROS NA FASE DE PESQUISA
Academia de Belas Artes Leipzig, International Studio & Curatorial Program (ISCP), Delfina Foundation

Residência de ajuda emergencial A Casa é Sua: práticas radicais de cuidado e hospitalidade
Kaaysá Art Residency, Goethe-Institut, Consulado Geral do Brasil no Líbano 

Execução Obra, Franzisa Pierwoss
Attila Neves e equipe

Obra sonora, Omar Mismar
Boca do Trombone

FOTOS
Rafael Adorján

 

Acolhida pelo Paço Imperial, a exposição “A casa é sua: migração e hos(ti)pitalidade fora do lugar” reúne trabalhos artísticos de dezenove artistas, entre nacionais e internacionais, que evidenciam as tensões da relação hóspede-anfitrião no tocante aos deslocamentos globais. O eixo dessa confluência de artistas é a migração, entendida como forma de movimento, deslocamento, fluxo, ocupação ou transferência voluntária ou forçada de pessoas, espécies e outros corpos e materiais animados ou inanimados, revelando tensões de hospitalidade que podem ser interpretadas de modo formal, conceitual ou discursivo. O termo “hostipitalidade”, é destacado em seu caráter ambíguo da noção de hospitalidade, desde a sua constituição lexical. Diante do estrangeiro, que é também “o estranho”, essa provocação conceitual incorpora uma contradição, seja como hostilidade, seja como gesto de compensação. A exposição volta seu olhar para as tensões nas relações hóspede-anfitrião do ponto de vista dos modos históricos e contemporâneos de migração, que repercutem com práticas xenófobas globais mais amplas em relação ao “outro”, que não é apenas o refugiado ou migrante.

 

VISITAÇÃO
22/03/2022 – 06/06/2022

LOCAL
Marres, Huis voor Hedendaagse Cultuur

ENDEREÇO
Capucijnenstraat 98, 6211RT, Maastricht

HORÁRIO
De terça a domingo, 12h às 17h

CURADORIA
Luiz Carlos Mello e Luiza Mello

ARTISTAS
Adelina Gomes
Carlos Pertuis
Fernando Diniz

PROJETO EXPOGRÁFICO
Dínamo Design

FOTOS
Ger-Jan van Rooij e Rob van Hoorn

 

Em 1946, a psiquiatra brasileira Nise da Silveira fundou a Ala de Terapia Ocupacional no Centro Psiquiátrico Nacional, no Rio de Janeiro. Numa época em que os métodos de tratamento psiquiátrico como eletrochoque, lobotomia e coma insulínico eram convencionais, ela acreditava que, para ajudar os pacientes, eles deveriam ter permissão para expressar seu pesar, ao invés de serem entorpecidos.  Suas atividades criativas provaram ser um meio poderoso tanto para acalmar os esquizofrênicos quanto para acessar seus mundos internos. Os desenhos de formas circulares que eles fizeram – alguns complexos, outros mostrando estruturas harmoniosas – intrigaram Da Silveira.  Ela enviou algumas amostras para o famoso psiquiatra Carl Gustav Jung. Ele viu nestas mandalas uma confirmação de sua teoria da linguagem universal dos símbolos. Os críticos de arte também ficaram impressionados com sua qualidade. Ao longo dos anos, a rara coleção cresceu para aproximadamente 400.000 obras e é oficialmente reconhecida como patrimônio artístico brasileiro.  A exposição Imagens do Inconsciente exibe uma seleção de obras desta notável coleção. Apresenta obras de artistas que trabalharam com Nise da Silveira por quase meio século, incluindo esculturas neolíticas, uma série de transformações florais pintadas, pinturas solares feitas com lápis de cera e os desenhos de mandalas aclamados por Jung.

 

TÍTULO DO PROJETO 

Busão das Artes 

PERÍODO 

30/11/2021 — 24/02/2022

Horário de funcionamento: das 9h às 17h

Horários das visitas agendadas: das 9h às 11h e das 15h às 17h

Visitação gratuita

LOCAIS 

Praça Mauá, Centro

Parque Madureira, R. Soares Caldeira, 115, Madureira 

Praça Santos Dumont, Gávea

ARTISTAS 

  1. Jaider Esbell
  2. Pierro Manzoni
  3. Suzana Queiroga
  4. Vik Muniz
  5. Walmor Côrrea

REALIZAÇÃO

Carioca DNA e Das Lima

CURADORIA

Luiz Alberto Oliveira e Marcello Dantas 

ASSISTENTE CURADORIA (MARCELLO DANTAS)

Aline Carrer | Magnetoscópio

PRODUÇÃO

  1. Automatica
  2. Julia Rebello

CURADORIA EDUCATIVA

  1. Camila Oliveira
  2. Laura Taves

CONTEÚDO EDUCATIVO

  1. Camila Oliveira
  2. Gabriela da Fonseca
  3. Juca Fiis
  4. Laura Taves

SUPERVISÃO EDUCATIVO

Iby Montenegro 

EDUCADORES

  1. Alice Ferreira Azevedo 
  2. Edem Lis 
  3. Lais Pinheiro 
  4. Liz Martins 
  5. Lola Bernardes 
  6. Pablo Marcelino 

CONSULTORIA EDUCATIVO

Genny Nissenbaum

DESIGN GRÁFICO

Bloco Gráfico 

PROJETO DE CENOGRAFIA

  1. Cenografia.net
  2. Susana Lacevitz

PRODUÇÃO DA CENOGRAFIA

  1. Cenografia.net 
  2. Philippe Midani

INTERATIVIDADE

samambaia.digital

ILUMINAÇÃO

  1. BLight
  2. Samuel Betts 

GESTÃO DE REDE SOCIAIS

OZ Comunicação

COMUNICAÇÃO

Mônica Villela Assessoria de Imprensa

COORDENAÇÃO ADMINISTRATIVA

  1. Flor de Manacá
  2. Mariza Adnet 
  3. Cristina Fournier

O Busão das Artes é uma exposição itinerante que circula pelas praças do Rio de Janeiro para partilhar, com arte e ciência, a diversidade que há em cada ser-pessoa. Entre os pontos previstos de parada estão a Praça Mauá, o Parque Madureira e a Praça Santos Dumont. A exposição foi pensada com um programa educativo que recebe escolas da rede municipal e particular em dois turnos diários, além de público espontâneo. 

A proposta do Busão Arte & Ciência é abrir possibilidades de compreensão das dimensões infinitesimais do universo das bactérias a partir de experiências criadas pelos artistas visuais Vik Muniz, Jaider Esbell, Suzana Queiroga e Walmor Corrêa. A exposição é uma maneira de apresentar esses múltiplos seres que constituem, conosco, o que cada um de nós é. O conceito central é, então, o reconhecimento de que pertencemos externamente a um ecossistema, e somos internamente um ecossistema. 

A iniciativa apresenta duas vertentes: uma ambiental, que trata das bactérias e de seu papel em nosso ecossistema; e outra científica, que aborda nosso conhecimento sobre o organismo humano. Quem vai ao ‘Busão’ descobre, com uma pitada de humor, que há mais de um quatrilhão de bactérias na Terra, dos quais 100 bilhões habitam o corpo humano, e 99,99% ainda sequer foram descobertas.

Título do projeto

Residência Artística Belo Jardim — Camila Sposati

Período

21/09/2021 — 30/11/2021

Curadoria

Cristiana Tejo e Kiki Mazzucchelli

Coordenação geral e produção

Automatica 

Bailarina e movimentos

Amália Lima

Artistes convidades / participantes

  1. ALL Souza
  2. Angelik
  3. Déborah Monteiro
  4. Elaine Lima
  5. Gledson Lamartine
  6. Heligeison Feitosa
  7. Jacy Lima
  8. Jurandex
  9. Maéve Oliveira
  10. Marilia Azevedo
  11. Thalyta Monteiro
  12. PRKilla
  13. Rodrigo Valença
  14. Soraya Feitoza

Convidados Encontros Públicos

  1. Antonio Araújo
  2. Fabiana Dultra Britto
  3. Kaciano Gadelha
  4. Leda Maria Martins
  5. Thiago de Paula Souza

Expografia digital / Exposição virtual

Rudá Cabral

Produção local 

David Biriguy

Fotografia 

Jadiel Silva

Vídeo 

Heleno Florentino

Audio 

Érico Theobaldo

Design gráfico 

  1. Studio Kader I
  2. Estudio Campo
  3. Carolina Aboarrage

Apoio

Instituto Conceição Moura

VIDEOS 

Entre setembro e novembro de 2021, a artista  Camila Sposati realizou o projeto Corpos de Phonosophia com a participação de um grupo de 15 residentes da cidade de Belo Jardim. Em Corpos de Phonosophia, instrumentos musicais foram idealizados e produzidos pelo grupo, que participou de encontros semanais com Sposati e a bailarina Amália Lima, que atuou na preparação corporal dos participantes. 

Com base no Teatro Legislativo de Augusto Boal (1996), Corpos de Phonosophia pretendia conectar o corpo pessoal ao social. O foco de interesse do projeto era explorar a relação das peças criadas com os corpos-sujeitos que as criam, a fim de investigar seu potencial como mediadoras entre as diferentes subjetividades e o mundo. As obras produzidas no projeto foram compartilhadas com o público por meio de uma exposição digital criada em parceria com o artista Rudá Cabral. 

A Residência também contemplou uma série de encontros públicos online com a participação de profissionais de diferentes áreas convidades para discutir aspectos do projeto da artista. O Programa Público foi voltado para pessoas que buscavam aprofundamento em algumas das principais ideias mobilizadas na residência artística. As lives foram transmitidas e seguem gravadas no YouTube.

Além disso, um Programa Educativo organizado pelas curadoras Cristiana Tejo e Kiki Mazzucchelli aconteceu no formato de minicurso e teve como tema “Introdução à arte contemporânea”, com divisão em quatro módulos e inscrições gratuitas. 

Site do projeto e da exposição virtual: https://residenciabelojardim.org/ 

TÍTULO DO PROJETO

Língua Solta

LOCAL

Museu da Língua Portuguesa 

ENDEREÇO

Praça da Luz  s/n — São Paulo, SP 

VISITAÇÃO

31/07/2021 — 03/10/2021

CURADORIA 

Fabiana Morais e Moacir dos Anjos 

PRODUÇÃO 

Automatica

ARTISTAS 

Agrippina Manhattan

Alex Cerveny

Alex dos Santos

Ana Lira

Anna Bella Geiger

Anna Maria Maiolino 

Antonio Manuel

Aprígio Fonseca

Arthur Bispo do Rosário

Carlos Zílio 

Cao Guimarães

Cildo Meireles

Cinthia Marcelle 

Coletivo Círculo Forte Brasil

Daniel Santiago 

Dalton Paula

Divino Sobral 

Denilson Baniwa

Dora Longo Bahia 

Dorieu Videla

Elida Tessler

Elson Josevan

Emmanuel Nassar 

Evandro Teixeira 

Fabio Morais

Fernando Rodrigues dos Santos

Francisco Brennand

Frederico Fonseca

Frente 3 de fevereiro

Gentileza

Gilvan Barreto

Gustavo Speridião 

Haroldo Saboia

Hélio Oiticica 

Helo Sanvoy

Henfil

Ivan Grilo 

Jac Leirner 

Jaime Lauriano

Jonathas de Andrade 

Josias Benício 

José Rufino 

Kaoru Higuchi

Lenora de Barros 

Leonilson

Lia Chaia

Maracatu Águia Misteriosa

Maracatu Cambidinha de Araçoiaba 

Maracatu Carneiro Manso

Maracatu Leão Africano

Marcelo Silveira

Marepe

Maria de Lourdes 

Marie Carangi

Mariana Matos

Marilá Dardot

Marta Neves 

Mira Schendel 

Miró da Muribeca

Moradores do Complexo de Favelas da Maré

Paulo Bruscky

Paulo Freire 

Pedro Moraleida 

Paulo Nazareth

Radh 

Randolpho Lamonier

Reinaldo Figueiredo 

Rivane Neuenschwander

Rosângela Rennó  

Saquinho de lixo

Sérgio Ruiz

Traplev

Vânia Mignone 

Ventura Profana

Victor Arruda 

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO 

Mariana Schincariol de Mello 

Marisa S Mello 

Luiza Mello 

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO 

Ana Pimenta

Ayla Gomes

ADMINISTRAÇÃO 

Geane Lino

Paulino Costa Neto 

DESIGN GRÁFICO 

Dínamo

Alexsandro Souza

PROJETO EXPOGRÁFICO 

T + T – Felipe Tassara e Stella Tennebaum

CENOTÉCNICA 

Metro Cenografia

Mauro Coelho 

Adão Siqueira

Rubens Mario Zero

PROJETO DE LUZ 

Fernanda Carvalho

Paula Carnelós 

Luana Alves

Helena Caixeta

ILUMINAÇÃO 

Santa Luz

André Germano Boll

Edson Batista dos Reis

Lucas Renan dos Santos Silva

Gutenberg Ferraz dos Santos

Jefferson Antônio da Silva Costa

MONTAGEM 

Gala

Rodolfo Martins 

Arâo Nunes 

Daniel Renan da Silva 

Rhaldexandro Bernardo dos Santos Júnior 

Tomas Jefferson Cruz 

Wanderlei Blassioli

Marcel Iwai

MONTAGEM DO TRABALHO SOBRE ESTE MUNDO DE CINTHIA MARCELLE 

Clarice Contijo Lacerda

MUSEOLOGIA 

Heloisa Biancalana 

Lilian Magalhães 

Priscila Mortet 

Bruna Pedrosa

Rosangela Reis Costa 

Lucimar Predibom 

Valeria Sellenes 

Viviane Teixeira

INSTALAÇÕES AUDIOVISUAIS

Maxi Audio 

Augusto Donda

Claudio Lourenço

FOTOGRAFIA 

Ricardo Amado 

TRANSPORTE 

Grupo Alke

Thiago Aquino

Jevesson de Souza

William Aderno 

Renan Soares

Marcos Allan 

Rafael Santanna 

Cicero Leandro

Mario Cesar 

Willian Goncalves 

Gabriel Fernandes 

Fernando Araujo 

Robson Antonio 

Roberto de Jesus 

Jose Gabriel

Aldair Thomaz 

Luis Alberto 

Benedito Jose 

Francinaldo Silva

SEGURO 

Seguro

Liberty

SINALIZAÇÃO 

Watervision

REVISÃO 

Duda Costa

TRADUÇÃO 

Paul Webb

Com curadoria de Fabiana Moraes e Moacir dos Anjos, a exposição Língua Solta apresenta a língua portuguesa em seus amplos e diversos desdobramentos na arte e no cotidiano por meio de um conjunto de artefatos que ancoram seus significados no uso das palavras, como objetos da arte popular e da arte contemporânea, apresentados de maneira diversificada. A mostra reabriu o Museu da Língua Portuguesa, fechado desde 2015, após incêndio que tomou a instituição. 

Ao todo, 180 obras de artistas contemporâneos e da chamada “arte popular” compõem a exposição. O embaralhamento proposto pelos curadores e que dá a tônica de toda a exposição, conecta a arte à política, à vida em sociedade, às práticas do cotidiano e às formas de protesto, de religião e de sobrevivência – sempre atravessados pela língua portuguesa. 

“A língua é solta porque perturba os consensos que ancoram as relações de sociabilidade dominantes, tanto na vida privada quanto na pública. Incorporada em imagens e objetos diversos, ela sugere outros entendimentos possíveis do mundo. E tece, assim, uma política que é sua”, diz Moacir dos Anjos. O projeto assume a língua como operador social que não somente reflete, como também reorganiza formas de vida. A mostra abriga, de modo intuitivo e lúdico, algumas das estratégias criativas que, estruturando imagens e objetos os mais distintos, sugerem e desdobram o poder que a língua tem de emancipar. “A gente entende que a língua é um espaço de disputa de poder e vai se refletir em questões várias do Brasil – de raça, de classe, de gênero e de geografias”, afirma Fabiana Moraes.

Título do projeto

Arte, cidade e patrimônio: Futuro e memória nas poéticas contemporâneas

Local

Centro Cultural Oi Futuro 

Endereço

Dois de Dezembro, 63

Flamengo, Rio de Janeiro 

Visitação

26/05/2021 — 25/07/2021

Artistas 

Beatriz Rauscher

Clara Cavendish

Claudia Renault 

Denilson Baniwa 

Guto Nóbrega 

Lucas Landau 

Mariana Guimarães

Maurício Pokemon 

Thiago Honório 

Thiago Martins de Melo

Curadoria 

Adriana Nakamuta

Assistente de curadoria 

Renata Palheiros

Produção 

Automatica

Coordenação de Produção 

Mariana Schincariol de Mello

Assistente de produção 

Ana Pimenta

Ayla Gomes

Gestão 

Marisa S. Mello

Administração 

Geane Lino

Paulino Costa Neto 

Design gráfico 

Dínamo

Alexsandro Souza

Projeto expográfico 

Dínamo

Alexsandro Souza

Cenotécnica 

Humberto Junior

Iluminação 

BeLight

Samuel Betts

Equipamentos 

Oi Futuro

Montagem

Jorge Cupim

Thiago Hortala

Assessoria de imprensa 

Meise Halabi 

Mídias sociais 

Priscilla Casagrande

Educativo

Clarisse Gonçalves

João Paulo Ovidio

Revisão 

Duda Costa

Tradução 

Paul Webb

A exposição coletiva Arte, Cidade e Patrimônio: futuro e memória nas poéticas contemporâneas, com curadoria de Adriana Nakamuta, apresentou o trabalho de 10 artistas de seis estados brasileiros, em que se debateu memória e futuro através de poéticas urbanas. A mostra ocupou os três andares do Centro Cultural Oi Futuro, no Rio de Janeiro. 

As/os artistas Beatriz Rauscher (MG), Clara Cavendish (RJ), Claudia Renault (MG), Denilson Baniwa (AM/RJ), Guto Nóbrega (RJ), Lucas Landau (RJ), Mariana Guimarães (RJ), Mauricio Pokemon (PI), Thiago Honório (MG/SP) e Thiago Martins de Melo (MA/SP) foram convidados a apresentar trabalhos inéditos em diferentes suportes e linguagens, tendo como inspiração a cidade do Rio de Janeiro – Primeira Capital Mundial da Arquitetura, sede do Congresso Mundial de Arquitetos (UIA 2021) e Patrimônio Cultural Mundial na categoria Paisagem Urbana, ambos títulos concedidos pela Unesco.

A mostra contou ainda com catálogo-livro e atividades paralelas, como palestras, conversas, vídeo-depoimentos dos/das participantes sobre seus trabalhos e visitas mediadas virtuais.

TÍTULO DO PROJETO

Masculinidades em Diálogo (MASCULINITIES in DIALOG) 

LOCAL

Galpão Bela Maré 

ENDEREÇO

Rua Bittencourt Sampaio, 169, Maré

VISITAÇÃO

13/05/2021 – 12/06/2021

HORÁRIOS

Quinta e Sábado, das 12h às 18h

Visita espontânea até 30 pessoas por hora 

Artistas

Abimael Salinas

Ana Bia Novais 

Davi Pontes 

Loo Stavale 

morani 

Patfudyda

Paulo Vinicius 

Pedro de Moraes Barroso 

rafael amorim 

Rafael Simba 

Simonne Silva Alves 

Taísa Vitória 

Organização e produção

Automatica 

Observatório de Favelas 

Galpão Bela Maré 

Design visual 

Observatório de Favelas 

Audiovisual 

Boca do Trambone 

Montadores

Jorge Claudio da Silva Nascimento

Thiago de Souza Hortala 

Agradecimentos

Lanchonete Lanchonete 

Lona Cultural Municipal Herbert Vianna 

ELà – Escola Livre de Artes 

Realização

Observatório de Favelas 

Parceria

Automatica 

Global Grace

Promundo

Instituto de Relações Internacionais – PUC-Rio

UNIperiferias – IMJA

Apoio

Samambaia Filantropias

Coordenação pedagógica

Gleyce Kelly Heitor 

Educadoras e educadores

Eloisa Brantes 

Jean Carlos Azuos 

Luiza Mello 

Marisa Mello 

Mulheres de Pedra

Pâmella Carvalho 

Rafa Éis 

Avaliação pedagógica

Natália Nichols 

Acompanhamento pegadógico

Andréa Gill

Fotografia

Marcia Farias 

Galpão Bela Maré 

Direção

Observatório de Favelas

Parceria

Automatica 

Coordenação

Isabela Souza

Curadoria

Jean Carlos Azuos 

Produção

Jefferson dos Santos 

Programa educativo

Coordenação

Erika Lemos Pereira 

Educadoras

Caju Bezerra 

Napê Rocha 

Educadora jovem (articulação e mobilização territorial) 

Gabi Vidal 

Zeladoria e limpeza

Alan Furtado Rocha 

Maria do Pérpetuo Socorro Costa 

Comunicação 

Coordenação

Priscila Rodrigues 

Comunicação 

Nyl de Sousa 

Assessoria de imprensa

Tiago Alves Pereira 

Designers

Marcella Pizzolato 

Taiane Brito 

Gestão administrativo-financeira

Sarah Horsth 

A exposição “MASCULINIDADES em DIÁLOGO” é o desdobramento da produção de doze artistas que integraram a segunda turma da Elã – Escola Livre de Artes.

A edição 2020/2021, com o tema “Construindo masculinidades outras”, realizada com a parceria do Projeto GlobalGRACE no Brasil, selecionou artistas entre 18 e 35 anos, de favelas e periferias, que trabalham com diferentes linguagens, suportes e poéticas, para lidarem com investigações sobre masculinidades a partir de tramas como desigualdades de gênero, raça e territorialidades. O programa assumiu formato híbrido com encontros online e presenciais no espaço do galpão. 

Foram realizados três ciclos de formação: conversas preparatórias, ligadas ao eixo conceitos, que trataram do tema “construindo masculinidades outras” (o Esquenta ELÃ, acessível ao público no YouTube); laboratórios de pesquisa em torno dos eixos percursos, corpos, materialidades; e, por fim o eixo agenciamentos, guiado por encontros de interlocução e acompanhamento da produção dos trabalhos finais e exposição. 

A exposição conta com produções inéditas concebidas e executadas durante a formação. Uma visita 360o foi produzida e pode ser visualizada online até setembro de 2021.

Para acessar a exposição virtual: http://of.org.br/exposicao-masculinidades-em-dialogo/