TÍTULO DO PROJETO

Gritos Surdos

ARTISTA

Miguel Rio Branco

LOCAL

Casa França Brasil

ENDEREÇO

Rua Visconde de Itaboraí, 78, Centro, Rio de Janeiro

VISITAÇÃO

  • 25/03/2014 a 25/05/2014
  • Terça a domingo 10h às 20h
  • Entrada franca

CONCEPÇÃO

Miguel Rio Branco

VÍDEOS

DIREÇÃO

Miguel Rio Branco

MONTAGEM VÍDEO

Tetê Sá

AUTORAÇÃO

Carlos Azambuja

BANDA SONORA

Miguel Rio Branco

PESQUISA DE IMAGEM

Isidora Gajic

DIGITALIZAÇÃO E MONTAGEM

Antonio Garcia

PRODUÇÃO MUSICAL E MONTAGEM SONORA

Bártolo

ASSISTÊNCIA

Pedro Sá e Jonas Sá

MUSICA VÍDEO CAVEIRINHAS

Jerônimo Cravo Rio branco

MÚSICA VÍDEO TÚNEL

Bártolo

MUSICA VÍDEO LABIRINTO

Miguel Rio Branco e Bártolo

PRODUÇÃO

  • Automatica
  • Mariana Schincariol de Mello
  • Ana Paula Vulcão

DESIGN GRÁFICO

Giselle Macedo

MONTAGEM

  • Rogério Cândido Dias da Silva
  • Marcus Vinicius Pugliese

PROJETO TÉCNICO E INSTALAÇÃO

32bits Criações Digitais

ILUMINAÇÃO

Belight | Samuel Betts

CENOGRAFIA

H.O Silva

ASSESSORIA DE IMPRENSA

  • Meio & Imagem |
  • Ana Ligia Petrone

REVISÃO

Duda Costa

TRADUÇÃO

Paul Webb

FOTOGRAFIA

Antonio Garcia

CASA FRANÇA-BRASIL

DIRETORA

Evangelina Seiler

ASSESSORA

Fátima Santiago

COORDENADORA DE PROJETOS

Jeanine Toledo

COMUNICAÇÃO

Lívia Ferraz

EQUIPE ADMINISTRATIVA

  • Fabiana Oliveira
  • Sandra Helena da Silva
  • Valdeci Costa Lima

CAPACITAÇÃO DE MEDIADORES DA EAV DO PARQUE LAGE

  • Cristina de Pádula
  • Maria Tornaghi
  • Tania Queiroz

MEDIADORES

  • Helen Lugon
  • Gisele Nery
  • Mariana Kanbara
  • Patricia Reis
  • Patrícia Aguiar
  • Tarsila Monteiro

Uma instalação com quatro projeções de imagens que transitam pelas temáticas de violência e poder, trabalhada simultaneamente sobre quatro telas de voil, com áudios diferentes, constitui o núcleo central da mostra Gritos surdos, de Miguel Rio Branco, que ocupará a Casa França-Brasil a partir de 25 de março. A exposição reúne instalações realizadas pelo artista no início da década de 2000, que nunca foram exibidas no Rio de Janeiro.

Além da obra que estará na nave central da Casa França-Brasil, uma das salas laterais exibirá uma projeção com imagem fixa e áudio. A outra vai mostrar um “site specific” em neon‚ no qual vários vidros de pára-brisas de automóveis, acidentados ou baleados, refletem luzes fluorescentes que piscam de modo intermitente, perfiladas por linhas de neon vermelho, com fotografias cibachrome.

TÍTULO DO PROJETO

Despertar/Éveil

ARTISTAS

  • Chico MacMurtrie
  • Ingrid Bachmann
  • Jane Tingley
  • Jean-Pierre Gauthier
  • Paula Gaetano Adi
  • Steve Daniels

LOCAL

SESC Santana

ENDEREÇO

Av. Luiz Dummond Villares, 579 – Jardim São Paulo, São Paulo

VISITAÇÃO

  • 14/03 a 01/06/2014
  • Terça a Sábado 10h às 21h
  • Domingos e feriados 10h às 19h
  • Entrada franca

CURADORIA

Sylvie Paren

PRODUÇÃO

Groupe Molior (Québec)

DIRETORA

Andrée Duchaine

DIRETORA ADJUNTA

Aurélie Besson

DIRETOR TÉCNICO

Danny Perreault

AUTOMATICA (BRASIL)

DIREÇÃO GERAL

Luiza Mello

PRODUÇÃO

Arthur Moura

GESTÃO

Marisa S. Mello

EXPOGRAFIA

  • Artificio | Vasco Caldeira
  • Ana Lucia Bortoletto
  • Maria Fernanda Miserochi
  • Zildete Mesquita

PROJETO GRÁFICO

  • Studio Meios | Julio Miquelini
  • Maria Fernanda Miserochi

DESIGNER DE ILUMINAÇÃO

  • Design da Luz Estúdio |
  • Fernanda Carvalho
  • Renata Fongaro

MONTAGEM

COORDENAÇÃO

  • Sergio Santos
  • Marta Bruno

EQUIPE

  • Andre Cruz
  • Cesar Lopes
  • Eduardo Domingues Junior
  • João Rebello
  • Jeff Lemes
  • Jorge Garcia
  • Mauro Cesar Silva
  • Mike Rocha
  • Rodolfo Martins Alves

PROJETO EDUCATIVO

Acontemporânea Cultural

COORDENAÇÃO

Marcela Tiboni

SUPERVISORES

  • Gabriela Piernikarz
  • Ricardo Hino

EDUCADORES

  • Juliana Nersessian
  • Antônio Sandoval
  • Talita Gouveia
  • Caio Araujo
  • Diermany D’Alessandro

SESC SANTANA

COORDENADORES DE ÁREA

  • Suzana Garcia
  • Silvan Oliveira da Silva
  • Viviane Gabarron
  • Rodrigo Augusto C. Souza
  • Alcione Pereira Müzel Teixeira

EQUIPE

  • Talita Rebizzi
  • Daniele Queiroz

A mostra Despertar/Éveil é inspirada por uma época distante e primordial: a origem da vida, o despertar da matéria.

A exposição reúne obras cinéticas e robóticas que empregam o movimento para expressar a essência da vida. Por meio de várias tecnologias, essas obras fazem com que seus componentes se movam, chacoalhem, contorçam e desdobrem de forma a evocar processos biológicos e seres vivos primitivos. Os trabalhos selecionados para Despertar/Éveil apresentam formas vivas em seu estado nascente e impreciso e, assim, distanciam-se da figura humana para voltar aos primórdios do mundo orgânico. São da ordem présub ou talvez até intra-humana. Nem mesmo uma única dessas obras representa uma espécie animal ou um órgão ou organismo identificável. Graças a essa imprecisão semântica e formas rudimentares, elas nos confrontam com a vida em sua dimensão secreta e íntima.

TÍTULO DO PROJETO

Sudário

ARTISTA

Carlos Vergara

LOCAL

Museu de Arte Contemporânea de Niterói – MAC Niterói

ENDEREÇO

Mirante da Boa Viagem, sem número, Niterói

VISITAÇÃO

  • 15/12/2013 a 23/02/2014
  • Terça a domingo 10h – 18h

CONCEPÇÃO

Carlos Vergara

CURADORIA

Guilherme Vergara

PRODUÇÃO

Automatica

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO

Luiza Mello

PRODUÇÃO

  • Mariana Schincariol de Mello
  • Ana Paula Vulcão

DESIGN GRÁFICO

Dínamo | Alexsandro Souza

ILUMINAÇÃO

Rogério Magalhães 

GESTÃO

Marisa S. Mello 

ASSESSORIA DE IMPRENSA

Barbara Chataignier

COORDENADOR DE MONTAGEM

Marcelo Camargo

MONTAGEM

  • Moises Barbosa
  • Daniele Cristina
  • Cal Camargo
  • Tiago Martins

ATELIÊ CARLOS VERGARA

COORDENAÇÃO

João Vergara 

ASSISTENTE DE PRODUÇÃO

Stefanie Ferraz 

ADMINISTRATIVO

Alice Souto

MAC NITERÓI

CURADOR-DIRETOR GERAL

Luiz Guilherme Vergara

Utilizando uma prática já presente em sua obra, a monotipia, Carlos Vergara imprime em lenços vestígios dos diversos territórios por onde passou ao longo de sua carreira. Na exposição Sudário, no Museu de Arte Contemporânea de Niterói, são apresentadas obras realizadas em lugares como a Índia, a Capadócia, o Cazaquistão, Londres, Pantanal, São Miguel das Missões e Salvador. Além dos lenços, a exposição é composta por pinturas, fotografias trabalhadas em 3D real e virtual, fotografias, monotipias em grande formato, vídeo e instalações. No pátio do museu,  estão cerca de 30 esculturas do projeto “Liberdade” realizadas com fotografias e portas gradeadas das celas recolhidas nos escombros do Complexo Penitenciário da Frei Caneca.

A exposição aborda, portanto, uma das particularidades fundamentais na produção de Carlos Vergara: uma prática artística prioritariamente realizada pela impressão de vestígios que se dá pela poética do deslocamento e de apropriações dos lugares visitados. “Isso é possível pela minha origem com a condição de transitoriedade, sem deixar de considerar as relações interpessoais construídas no processo, as quais se tornaram importantes no encadeamento da minha poética”, revela o artista.

Ao longo dessa poética do deslocamento e por mais de cinco décadas de vida artística, Carlos Vergara acumulou experiências e uma intensa pesquisa em materiais e técnicas de trabalho. A mostra é um convite à viagem e à imaginação.

Título do projeto

Antonio Manuel

 ARTISTA

Antonio Manuel

LOCAL

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

ENDEREÇO

Av. Infante Dom Henrique, 85, Parque do Flamengo, Rio de Janeiro

VISITAÇÃO

  • 13/12/2013 a 16/02/2014
  • Terça a sexta 12h às 18h
  • Sábado, domingo e feriado
  • 12h às 19h

CURADORIA

Luis Camillo Osório

PRODUÇÃO

Automatica

Coordenação de Produção

Luiza Mello

Produção

Arthur Moura

Assistente artista

Vitor Manuel

Arquitetura

  • RUA Arquitetos| Pedro Évora
  • Izabel Barboni

Identidade Visual

Sonia Barreto

Projeto de Iluminação e design de luz

BeLight | Samuel Betts

Cenotécnica

  • Humberto Silva
  • Humberto Silva Junior

Revisão

Rosalina Gouveia

Assessoria de imprensa

CW&A Comunicação

Agradecimentos

  • Ana Caillaux
  • Anita e Leoncio Schwartz
  • Beatriz Caillaux
  • Elizabeth Pratini de Moraes
  • Marcus V. Pratini de Moraes
  • Gilberto Chateaubriand
  • João Sattamini
  • Luis Antonio de Almeida Braga
  • Luisa Strina
  • MAC Niterói
  • Marcia e Luiz Chrysostomo
  • Mariano Marcondes Ferraz
  • Mario Caillaux
  • Marisa Abate
  • Marli Matsumoto
  • Paulo Venâncio Filho

A exposição Antonio Manuel, no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, abrange a recente e inédita produção do artista, com duas instalações feitas especialmente para o local, e ainda obras emblemáticas de sua trajetória, configurando um conjunto inédito de trabalhos, nunca reunidos antes. A mostra apresenta ao público um recorte expressivo da produção do artista, da década de 1980 até os dias de hoje.

Para a exposição, que ocupa um espaço de cerca de 1.800 metros quadrados no segundo andar do Museu, o artista recria as instalações “Fantasma” (1994/2013), da Coleção do Museu – adquirida por meio do Edital de Artes Visuais da Petrobras, em 2001 – “Frutos do Espaço” (1980/2013), “Ocupações/ Descobrimentos” (1998/ 2013), “Sucessão de Fatos” (2003/ 2013). Antonio Manuel está desenvolvendo, especialmente para esta mostra, duas instalações: “Até que a imagem desapareça” e “Nave”, que utilizarão água. Cerca de dez pinturas, de coleções privadas e do acervo do artista, produzidas entre 1985 e 2013, e o vídeo Semi-Ótica (1975), completam a mostra.

O artista destaca que “é um conjunto que nunca foi apresentado e que se comunica, uma instalação dialoga com a outra. Uma característica em comum é que todas as instalações são participativas”.

TÍTULO DO PROJETO

Mitos do Contemporâneo

LOCAL

Caixa Cultural Rio de Janeiro

ENDEREÇO

Almirante Barroso, 121 – Centro, Rio de Janeiro

PROGRAMAÇÃO

  • 03/12 – 12/12/2013
  • Entrada Franca

CURADORIA

  • Rafael Cardoso
  • Sérgio Martins

PARTICIPANTES

  • Briony Fer
  • Francisco Bosco
  • Frederico Coelho
  • Lorenzo Mammì
  • Luisa Duarte
  • Marcio Doctors
  • Marcus Faustini
  • Matheus Rocha Pitta
  • Moacir dos Anjos
  • Nelson Brissac
  • Paulo Herkenhoff
  • Paulo Sergio Duarte
  • Pedro Duarte
  • Roberto Conduru
  • Rodrigo Nunes
  • Tania Rivera
  • Waltercio Caldas

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO

Marisa S. Mello

PRODUÇÃO

Luisa Hardman

DESIGN

Dínamo | Alexsandro Souza

REVISÃO

Duda Costa

O seminário Mitos do Contemporâneo questionará uma noção que nos é familiar, mas que escapa a qualquer definição simples: o contemporâneo. Cada mesa tomará como ponto de partida um mito – uma percepção dominante, um lugar-comum ou um pressuposto – a respeito da arte e da cultura contemporâneas. O seminário reunirá artistas, críticos, historiadores e intelectuais de áreas variadas de modo a encorajar discussões que extrapolem clichês e se abram para novos debates. Serão duas semanas de debates sobre o papel central que a noção do contemporâneo desempenha nas relações do fazer artístico com sua história, com a geografia de sua circulação, com os discursos que o cercam e com as posições estéticas e políticas que o pautam.

Título do projeto

Perfume de Princesa

Artista

Wagner Malta Tavares

Local

Museu da Cidade de São Paulo

Endereço

Rua Roberto Simonsen, 136-B – Metro Sé, São Paulo

Visitação

  • 03/11/2013 a 02/03/2014
  • Terça a domingo 9h às 17h

Produção

Automatica

Coordenação de produção

Luiza Mello

Assistente de produção

Luisa Hardman

Gestão do projeto

Marisa S. Mello

Projeto gráfico

Dínamo | Alexsandro Souza

Administração do projeto

Carolina Lima

Texto

José Bento Ferreira

Revisão

Duda Costa

Tradução

John Norman

Montagem

Metal Calhas

Realização

  • Museu da Cidade,
  • Prefeitura de São Paulo e
  • Secretaria de Cultura

Núcleo de curadoria

  • Henrique Siqueira,
  • Douglas de Freitas e
  • Monica Caldiron

Núcleo de conservação

Nalu Medeiros e Leila Antero

Estagiária Trainee

Paola Ribeiro

Apoio

IFF International Flavors & Fragrances Inc.

AGRADECIMENTOS

  • Carlos Kiyoshi Okamoto
  • Diogo Medeiros de Freitas
  • Dionisio Ferenc
  • Eloisa Maria F. M. Rodrigues
  • Franz Lizst
  • Jordão Corrêa Neto
  • Marilia Razuk
  • Roberto Loeb

Perfume de Princesa é o título da instalação inédita do artista Wagner Malta Tavares. O trabalho exala diferentes compostos aromáticos ao longo do percurso do público pelo Beco do Pinto e os centenários edifícios da Casa da Imagem e do Solar da Marquesa de Santos, na cidade de São Paulo.

Trata-se de um tubo de metal escovado com 350m de comprimento, que a primeira vista pode parecer apenas parte da estrutura das casas, mas logo chama a atenção para seu movimento. O tubo corre pelo chão, realiza voltas em si mesmo, ziguezagueia corrimões e atravessa janelas, sem atrapalhar a circulação pelos espaços.

Seus odores vão de rosas e jasmins a aromas corpóreos, essências essas pesquisadas e criadas a partir de um conto popular sobre a Marquesa de Santos, segundo o qual, a amante de D. Pedro 1o deixava flores pela casa para transmitir, pelo cheiro, o seu humor no dia.

Título do projeto

  • 17ª Edição do Projeto Respiração
  • Marcos Chaves – I only have eyes for you

Artista

Marcos Chaves

Local

Fundação Eva Klabin

Endereço

Av. Epitácio Pessoa, 2480, Lagoa, Rio de Janeiro

Visitação

  • 03/09/2013 a 10/11/2013
  • Terça a Domingo 14h às 18h
  • Entrada franca

Curadoria

Marcio Doctors

Produção

Automatica

Coordenação de Produção

Luiza Mello

Produção

  • Ana Paula Vulcão
  • Arthur Moura

Iluminação e Projeções

Belight

Video sala Renascença:

Captação de imagens

  • Marcos Chaves
  • David Pacheco

Montagem

Bernardo Jucá

Som sala de jantar:

Gravação

  • Rossano Snel
  • Marcos Chaves
  • Daniel Rangel

Mixagem

Rossano Snel

Video Hot Widow (Janela):

Fotografia

Marcos Chaves

Montagem

Bernardo Jucá

Marcos Chaves – I only have eyes for you é a 17ª edição do Projeto Respiração, que traz importantes nomes da arte contemporânea para intervirem na Fundação Eva Klabin, desde 2004.

Marcos Chaves realizou intervenções em seis espaços da casa-museu na Lagoa, criando um desvio no tempo e uma leveza através da incorporação de elementos contemporâneos, libertando o espaço daquilo que o caracteriza, sem descaracterizá-lo.

Segundo o curador do projeto, Marcio Doctors, “o trabalho de Marcos Chaves é marcado por jogos semânticos verbo/visuais, que ressignificam o sentido original das coisas, criando pequenos deslocamentos através de uma percepção sutil, que conjuga ironia, bom humor e duplo sentido, evidenciando aspectos não revelados da realidade cotidiana”.

TÍTULO DO PROJETO

Feminismo em Marcha

LOCAL

Galeria Olido | São Paulo

ENDEREÇO

Avenida São João, 473,  1 andar, Centro

VISITAÇÃO

  • 25/08 a 30/09
  • Terça a Sábado, das 13 às 20h
  • Domingo, das 13 às 19h

COORDENAÇÃO GERAL

SOF – Sempreviva Organização Feminista

PRODUÇÃO

Automatica

coordenação de PRODUÇÃO

Marisa S. Mello

PRODUÇÃO

Luisa Hardman

ARQUITETURA

Claudia Afonso

PROGRAMAÇÃO VISUAL

Natalia Zapella

MONTAdoras

  • Eloah Melo
  • Deborah Santiago Guimarães

CENOGRAFIA

Artos Cenografia

Textos

  • Tica Moreno
  • Miriam Nobre

Revisão de textos

Duda Costa

Bonecas, arte dos cartazes da Marcha Mundial das Mulheres e estandartes

Biba Rigo

Fotografias

  • Arquivo MMM
  • Anderson Barbosa
  • Daniela Carrasco
  • Marta Baião
  • Carolina Caleffi
  • Bruna Provazi
  • Elaine Campos
  • Fafa Souza
  • Fernanda Estima
  • Gabriel Uchida
  • Joaquim Duarte
  • João Zinclair
  • Marcela Mattos
  • Maria José Vidal
  • Marcos Aragão
  • Rafael Ferreira
  • Roberto Parizotti
  • Thamy Radomile
  • Vinicius Campos

Mudar o mundo e mudar a vida das mulheres em um só movimento. Igualdade para todas. Fortalecimento de espaços coletivos das mulheres: populares, autônomos e diversos. Ações com criatividade para enfrentar o capitalismo patriarcal. Construção de alianças com os movimentos sociais em luta para transformar o mundo. Vincular o trabalho permanente em âmbito local com os temas e processos globais. Solidariedade e internacionalismo.

São estas as principais características que levaram à construção da Marcha Mundial das Mulheres (MMM) como um movimento permanente.

Com projeções, fotografias e materiais históricos, a exposição “Feminismo em marcha” apresenta a trajetória, ações e principais temáticas abordadas pela Marcha Mundial das Mulheres, movimento feminista internacional organizado em 62 países e presente em torno de 150.

Esta é uma oportunidade para proporcionar reflexões sobre a origem dos problemas que as mulheres enfrentam hoje e as alternativas de resistência que o movimento feminista apresenta.

Título do Projeto

Pinturas Recentes

Artista

Leda Catunda

Local

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro

Endereço

Av. Infante Dom Henrique, 85 – Parque do Flamengo

Visitação

  • 10/08 a 06/10/13
  • ter – sex 12h – 18h
  • sáb, dom e feriados 12h – 19h

Curadoria

Jacopo Crivelli Visconti

Produção

Automatica

Coordenação de produção

Luiza Mello

Produção

Arthur Moura

Montagem

  • Thiago Branco Barboteo
  • Cazé Araújo

Cenografia

Glauber Silva

Transporte

Vanguardian Transportes Especializados

Seguro

Pro Affinité Consultoria e Corretagem de Seguros Ltda.

Agradecimentos

  • Coleção BGA – Brazil Golden Art
  • Galeria Celma Albuquerque
  • Galeria Fortes Vilaça
  • Galeria Silvia Cintra + Box 4
  • Museu Oscar Niemeyer
  • Nathalie Bacellar
  • Paulo Darzé Galeria de Arte

“Pinturas recentes” é o nome da exposição da artista Leda Catunda, em cartaz no MAM RJ.

Com cores fortes e vibrantes, os trabalhos da exposição são feitos em tinta acrílica sobre tela e/ou tecido. Em algumas obras, no entanto, há a introdução de outros elementos, como plástico e veludo. O resultado é uma superfície volumosa e estufada, que extrapola o plano pictórico. As obras foram produzidas entre 2010 e 2013, em grandes formatos. Segundo a artista, os trabalhos “remetem à questão da identificação do sujeito com algum tipo de imagem”.

O curador, Jacopo Crivelli Visconti, explica o conceito da exposição, “os logotipos, as imagens, as cores, os símbolos, os números: todo o repertório visual do esporte aparece nessas obras, cada elemento competindo com os outros, tentando sobrepor-se aos que o rodeiam, até preencher cada centímetro do espaço à disposição”,  conclui Visconti.

Título do projeto

Crer em Fantasmas

Local

Caixa Cultural Brasilia

Endereço

SBS Quadra 4, lotes 3/4 – Brasilia – DF

Visitação

  • 15/05 – 30/06/2013
  • Entrada Franca

CURADORIA

Marcelo Campos

ARTISTAS

  • Daniel Lannes
  • Flávio Araujo
  • Thiago Martins de Melo
  • Fábio Baroli
  • Fábio Magalhães

Coordenação de produção

Marisa S. Mello

Produção

  • Arthur Moura
  • Mariana Schincariol de Mello

Assistente de produção

Luisa Hardman

Produção local

Daiana Castilho Dias | 4 Art Produções Culturais

Design e Expografia

Alexsandro Souza

Cenografia

LM Cenografia

Iluminação

T19 Projetos de Arte e Cultura Ltda.

Transporte das obras

Millenium

Revisão

Duda Costa

ACESSE O PDF DO CATÁLAGO

Crer em fantasmas, mostra em cartaz na Caixa Cultural Brasília, com curadoria de Marcelo Campos, apresenta a produção de jovens pintores brasileiros: Daniel Lannes, Fábio Baroli, Fábio Magalhães, Flávio Araujo e Thiago Martins de Melo. A exposição tem por objetivo reunir trabalhos atuais com uma ênfase na noção de território – estimulada pelo fato de cada artista atuar em estados distintos: Maranhão, Bahia, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Pará. Um panorama de identidades múltiplas, com discussões amplas e repertórios imagéticos originais diante da contemporaneidade brasileira.

TÍTULO DO PROJETO

Travessias 2 – Arte Contemporânea na Maré

LOCAL

Galpão Bela Maré

ENDEREÇO

Rua Bittencourt Sampaio, 169, entre as passarelas 9 e 10 da Av. Brasil – Maré, Rio de Janeiro

VISITAÇÃO

  • 13/04 – 23/06/2013
  • Entrada Franca

Realização

  • Observatório de Favelas
  • Automatica

ARTISTAS

Arjan Martins, Cadu, Carlos Vergara, Daniel Senise, Ernesto Neto, Lucas Bambozzi, Luiza Baldan, Marcelo Silveira, Ratão Diniz e Vik Muniz

Curadoria

  • Raul Mourão
  • Felipe Scovino

Coordenação

  • Observatório de Favelas
  • Jailson de Souza e Silva
  • Jorge Luis Barbosa
  • Elionalva Sousa Silva
  • Erasmo Carlos de Oliveira Castro
  • Mário Pires simão
  • Raquel Willadino Braga
  • Dalcio Marinho Gonçalves

PATROCÍNIO

  • Petrobras
  • Edital Pró-Artes Visuais da Prefeitura do Rio / Secretaria Municipal de Cultura

Produção e Gestão

Automatica

Coordenação de Produção

Luiza Mello

Produção Executiva

Mariana Schincariol de Mello

Produção

  • Ana Paula Vulcão
  • Luisa Hardman

Gestão

  • Marisa S. Mello
  • Carolina Lima

Assistente de Coordenação

  • Produção Galpão BELA
  • Fabiana Gomes

Estagiária Galpão BELA

Isabela Carpena

Coordenação de Conteúdo

Gabriela Moulin

Coordenação do Programa Educativo

  • Ana Luiza Faro
  • Janis Clémen

Educadores

  • Alessandra Alves
  • Carolina Aleixo
  • Daniel Remilik
  • David Alfredo
  • Jean Carlos de Souza
  • Marcia Pereira
  • Monique Moraes
  • Noelle Araújo
  • Núbia Alves
  • Sandra Tomé

Design

  • Quinta-feira |
  • Tonho
  • Miguel Nóbrega

Arquitetura

  • Rua Arquitetos
  • Pedro Évora

Iluminação

Belight

Cenotécnica

  • Free Art Móveis
  • Robson Borges da Silva

Marcenaria

Free Art Móveis

Mídias Digitais

14

Assessoria de Imprensa

Approach

Mobilização

  • Redes de Desenvolvimento da Maré
  • Alberto Aleixo
  • Henrique Gomes

Cobertura Fotográfica

  • David Marcos
  • Imagens do Povo

Cobertura Audiovisual

  • 14
  • Agência Diálogo

Zelador

Wilson Sanches de Lima

Exposição, programa educativo, debates e oficinas.

Travessias é um projeto que propõe a incorporação da Favela da Maré e de seus moradores no mapa das artes visuais, evidenciando o papel do artista e da arte contemporânea brasileira em um processo de integração urbana e estética.

A arte pode ser uma poderosa ponte entre partes, ao ampliar possibilidades, estimular conversas e provocar encontros entre moradores, críticos, curadores, galeristas, artistas, estudantes e outros interessados na transformação do olhar e na construção de territórios mais democráticos.

A exposição tem como curadores Felipe Scovino e Raul Mourão e mostra obras de 10 artistas contemporâneos brasileiros: Arjan Martins, Cadu, Carlos Vergara, Daniel Senise, Ernesto Neto, Lucas Bambozzi, Luiza Baldan, Marcelo Silveira, Ratão Diniz e Vik Muniz.

Visite www.travessias.org.br